sexta-feira, 14 de agosto de 2015

LUX

LUX
de Bernardo Lopes e Inês Malveiro
com: Sérgio Moura Afonso, José Pimentão e Anna Carvalho
Quantos de nós já se depararam com problemas no nosso processo criativo e com um grande conflito de ideias? Para Pedro, protagonista da excelente curta-metragem LUX (vencedor do prémio de Melhor Filme no Over&Out 2015), estes são problemas constantes que o atormentam enquanto, isolado em sua casa, tenta escrever o seu novo romance.

Como o sabemos? Não é através de diálogos entre personagens nem com o auxílio de uma narração em voice over dos pensamentos de Pedro. Em vez disso, os 10 minutos da curta são silenciosos e as dificuldades em ter e conciliar ideias do escritor são apresentadas através de lâmpadas. Sim, lâmpadas, uma que se acende aqui, outra que se apaga acolá, muitas que se vão fabricando e outras tantas que se partem por todo o lado. Esta metáfora que se sugere é extremamente eficaz e delicada, oferecendo uma nova e interessante perspetiva sobre a crise criativa daqueles cuja profissão depende diretamente da criatividade e não só.

Bernardo Lopes (que também assina o argumento) e Inês Malveiro, a dupla de realizadores, constroem em torno desta simples narrativa um conjunto de imagens muito bem estruturadas. É notório o empenho em construir cada plano com muita atenção ao detalhe e com o desejo de tornar LUX extremamente apelativo visualmente. Desejo esse alcançado e para o qual contribui ainda a escolha de filmá-lo em 35mm. Já a performance de Sérgio Moura Afonso como Pedro é discreta, contudo não deixa de dar profundidade a um homem que vive uma frustrante crise criativa.

LUX é assim uma curta-metragem de alta qualidade. Um conceito bastante curioso e otimamente ilustrado dá origem a um filme que espelha o interior da mente de todos através de uma excelente simbologia visual. A não perder.

8,5/10

Sem comentários:

Enviar um comentário