sábado, 27 de junho de 2015

Lava

LAVA
de James Ford Murphy
Como já é tradição, a Pixar apresentou antes do seu mais recente trabalho uma curta-metragem. Este ano, Lava foi o pequeno filme que os estúdios produziram para anteceder a Divertida-mente. É uma história bastante interessante, sobre um vulcão (com olhos e boca) chamado Uku que passa os dias a ver golfinhos, baleias, tartarugas, etc., aos pares, enquanto vai cantando uma música sobre o quão quer ter um vulcão para amar (dando origem a trocadilhos mauzinhos que brincam com as palavras love e lava). Porém, nenhum vulcão aparece e a sua lava começa a tornar-se em pedra, fazendo com que Uku se vá afundando lentamente. O que ele não sabe é que, ainda no fundo do mar, está uma vulcana de nome Lele a ouvir a música... Não conto mais nada porque isto trata-se de uma curta e mais um bocado e já tinha falado do filme inteiro. Mas dá para perceber que a ideia é muito gira. O visual é fantástico, com ilustrações muito bonitas da natureza e uma humanização dos dois vulcões bastante bem conseguida, e a história é uma montanha russa de emoções de apenas sete minutos, quase um aquecimento para Divertida-mente. O problema de Lava reside essencialmente em duas coisas: primeiro, toda o enredo é contado numa canção que se começa a tornar chata ao fim de um bocado; e segundo, há um factor desagradável que consiste em a Pixar não admitir que se baseou (descaradamente...) na música e na figura de Israel "IZ" Kamakawiwoʻole para construir o vulcão Uku, fazendo assim com que uma curta que poderia servir de homenagem se torne num rip-off fácil e embaraçoso para os estúdios. Em suma, Lava é uma bonita história de amor que peca por não ser construída com o encanto e a delicadeza presentes nos outros pequenos filmes da Pixar.

6/10

1 comentário:

  1. Lava: 5*

    "Lava" é um filme comovente e amoroso, recomendo vivamente.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.
    PS, eu adorei a música e os sons havaianos completam esta maravilha.

    ResponderEliminar