domingo, 7 de dezembro de 2014

Locke

LOCKE
de Steven Knight
com: Tom Hardy e as vozes de Ruth Wilson,
Olivia Colman e Andrew Scott
Durante os próximos dias irei escrever pequenas críticas (um ou dois parágrafos) sobre os melhores filmes que perdi este ano aquando da sua data de estreia. O primeiro é Locke.

Locke poderia ser uma peça de teatro: passa-se num único espaço (um carro), tem como condutor da sua narrativa uma única personagem (Ivan Locke, brilhantemente interpretado por Tom Hardy) e a história desenrola-se em tempo real. Esta simplicidade quase teatral faz desta obra de Steven Knight uma magnífico filme. Dentro do veículo de Locke, o espectador depara-se com mil e uma emoções e pequenos (e consecutivos) episódios extremamente dramáticos, que vão ganhando contornos cada vez mais trágicos e impensáveis à medida que a viagem do protagonista decorre. E o motivo dessa mesma viagem só o vamos percebendo lentamente, tal como todas as outras personagens que vão falando ao telemóvel com Locke, desde o seu patrão até à sua própria família. Se há drama mais brilhantemente executado e escrito em 2014, só pode ser Locke, que consegue captar toda uma panóplia de comportamentos humanos e transformá-la numa história arrojada, surpreendente e por vezes cheia de tensão.

9/10

Sem comentários:

Enviar um comentário