segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Magia ao Luar

MAGIC IN THE MOONLIGHT
de Woody Allen
com: Colin Firth, Emma Stone, Hamish Linklater,
Marcia Gay Harden, Eileen Atkins e Simon McBurney
O mais recente filme de Woody Allen, que se segue ao grande êxito Blue Jasmine, chegou esta semana às salas portuguesas. Pode não ter tanta magia como o título indica, mas é obviamente um filme muito divertido ao estilo do realizador norte-americano.

Stanley (Colin Firth) é um convencido ilusionista céptico e defensor ferrenho da lógica. Quando um amigo lhe diz ter descoberto uma medium que ninguém consegue desmascarar, ele vai tentar perceber os seus truques de modo a provar que ela é um fraude. Mas quando conhece Sophie (Emma Stone), não só fica surpreendido com os seus dotes como também encantado pela sua aparência.

Estão portanto reunidas as condições para uma comédia romântica soft ao bom estilo de Woody Allen. E, felizmente, não se encontram em Magia ao Luar temas reciclados de trabalhos anteriores do realizador, coisa que tem marcado os últimos anos da sua carreira. É claro que é possível encontrar neste filme alguns aspetos comuns a outros, como a cena inicial que remete vagamente a A Maldição do Escorpião de Jade e o espaço e tempo onde decorre a acção (sul de França no final dos 20) até faz lembrar Meia-Noite Paris, mas nada que seja uma cópia descarada de ideias já exploradas.

Será então seguro dizer que Magia ao Luar é um trabalho de Woody Allen dotado de originalidade? Nem por isso. A relação que Stanley e Sophie criam é a mesma (ou quase a mesma) de outros pares do cinema e o desfecho é perceptível desde o primeiro contacto que os dois estabelecem. Mas o argumento sarcástico, inteligente e bastante divertido consegue criar momentos engraçados que diferenciam esta obra de tantas outras. A personagem Stanley, por exemplo, está muito bem construída, é quase como que uma caricatura daqueles cépticos fanáticos pelo bom senso e lógica, teimando em não acreditar nos poderes de Shopie, acabando quase sempre por gozar com a medium, naqueles que são os mais hilariantes momentos do filme.

E se Stanley é a melhor personagem do filme, para isso contribui o excelente desempenho de Colin Firth, que imita um pouco as performances de Woody Allen nos seus próprios filmes e diz cada fala e desempenha cada gesto e expressão facial de modo woodyano mas também com um toque pessoal. Emma Stone continua encantadora como sempre e teve também uma performance interessante e ambos os actores demonstraram uma química eficaz no ecrã. Nos papéis secundários, há que destacar Eileen Atkins como a tia de Stanley e Hamish Linklater como Brice (outro apaixonado por Sophie que lhe toca divertidíssimas serenatas).

Mesmo os que não acharem piada a Magia ao Luar poderão sempre gostar das imagens que proporciona. Woody Allen conseguiu enquadrar muito bem o seu elenco com as belíssimas paisagens do sul de França (realçadas pela excelente fotografia de Darius Khondji) e com os cenários deliciosos de finais da década de 20. O guarda roupa masculino pode deixar um pouco a desejar, mas é compensado por aquilo que as actrizes usaram, desde vestidos coloridos até acessórios deslumbrantes e excêntricos.

Tanta diversão e excelência visual acabam por distrair o público dos dois problemas do filme. A história é demasiado precipitada: as personagens mudam de ideias de um momento para o outro sem que nada o justifique e é perceptível que Woody não trabalhou muito neste ponto do seu argumento. Já a banda sonora está cheia de bons temas clássicos, mas foram muito mal usados. Alguns mais pesados e fortes foram utilizados em cenas que preferiam uma música mais animada, enquanto que outros oldies característicos da obra de Woody Allen "assassinaram" momentos de maior drama.

Contudo, Woody Allen acaba por ser como Stanley, iludindo-nos e escondendo os piores aspectos do filme com muita diversão e risos. Magia ao Luar não é, de todo, um dos seus melhores títulos, mas é certamente a comédia perfeita para os menos exigentes e aqueles que quiserem passar um bocado na sala de cinema.

7/10

Sem comentários:

Enviar um comentário